“gosto tanto de você leãozinho…”

 

 

hoje, o leãzinho aqui do Dómus ficou entusiasmado com a vitória do Sporting e está a querer enfiar uns golos no soninho e ficar a festejar… pelo menos cantoria parece que já temos!

…and little Mr. D. rules in this house!  

Anúncios

vendo bem as coisas…

“tenho estado a olhar para o meu espelho

através dos olhos de outrem

…”

Eeehhh!

SKUNK ANANSIE

bom som, bom!

 

I’ve been looking through my mirror
with somebody elses eyes
you broke me down
you fixed my blood staind pride
I’ve running through my window
at somebody elses world
you let me fall
right through your open door
you came and saved me you saved me from myself
you came and saved me you saved me from myself
I’ve been running hard on empty
sinking deeper in the sand
you let me down
right on to solid ground
you came and saved me you saved me from myself
you came and saved me you saved me from myself
when everyone left me you loved me and no one else
you came and saved me you saved me from myself “

( You Saved Me – Skunk Anansie – Wonderlustre, 2010)

2 (much) talk 2 (much)…

bláa… bláa… bláa…

e porque assim e porque assado…”

lá íamos, a minha Boss e eu, esgrimindo argumentos

como numa luta pela última pincelada no quadro

e, então,

com uma simples frase ela lança o golpe de misericórdia

you know… that´s why I have a T-shirt saying…

and that’s all!!!”

e ela tinha razão, ou é ou não é,

e por vezes o melhor é mesmo só

calar e apreciar!

Aaah, como a sabedoria caminha com a experiência…

partilhar : conhecer

.

.

.

.

dou conta que muitas vezes andei a farejar como um cão perdigueiro na expectativa de conhecer um pouco mais de alguém… apontei o nariz para pormenores e fiquei em posição de “stop” à espera do próximo movimento… nada mais desnecessário. para ver realmente a outra pessoa o “timing” é marcado pelo outro lado e o conhecimento vem por partilha; partilha de um momento vivido pelo outro ou pela realização conjunta de algo. partilha de coisas simples e insignificantes, ou partilha de dores ou alegrias tão intensas como uma explosão. tudo serve desde que se torne numa (re)vivência em conjunto, numa espécie de comunhão. e é em pequenos goles, como que a saborear; com calma, porque sempre se encontra calma quando se valoriza o momento. conhecendo e dando a conhecer, aos poucos, por partilha.

.

.

fazer papel de laranja verde….

e por vezes acontece-me…

… é apenas mais forte do que eu!

Faço birrinhas, pois que faço, e depois fico assim:

a fazer papel de laranja verde!

mas depois é espectacular  sentir a verdadeira amizade de alguém    

que lança uma mão e ajuda a amadurecer!

há laranjas mesmo especiais!