iso|ar

.

todos precisamos do nosso momento de isolamento…

.

.

pela vontade de se reflectir sobre decisões

para acomodar lá no íntimo algo que nos inquieta

para reencontrar o nosso eixo ou os pontos cardeais e seguir em frente

para…  tantas coisas que só interessa a cada um por serem tão pessoais

e todos nós temos o direito a esse momento

(convém é  nunca perder o fio que nos traga de volta…)

.

.

e só não espeto aqui a música dos Chicago porque apesar da insónia ainda restam alguns neurónios para lá das pálpebras….

Everybody needs a little time away
I heard her say
From each other
Even lovers need a holiday
Far away
From each other
Hold me now
It’s hard for me to say I’m sorry
I just want you to stay
After all that we’ve been through
I will make it up to you
I promise to
And after all that’s been said and done
You’re just the part of me I can’t let go
Couldn’t stand to be kept away
Just for the day
From your body
Wouldn’t wanna be swept away
Far away
From the one that I love
Hold me now
It’s hard for me to say I’m sorry
I just want you to know
Hold me now
I really want to tell you I’m sorry
I could never let you go
After all that we’ve been through
I will make it up to you
I promise to
And after all that’s been said and done
You’re just the part of me I can’t let go
After all that we’ve been through
I will make it up to you
I promise to
You’re gonna be the lucky one
When we get there gonna jump in the air
No one’ll see us ‘cause there’s nobody there
After all, you know we really don’t care
Hold on, I’m gonna take you there

… mas fica a letra!
(ok, foi do sono)

say it again?! I’m confused…

.

.

(sff. ler tudo de uma vez como quem enfia um shot pela goela!)

.

descontando o querer como aquele querer que tenho pelos meus bichos, que não é pouco, pois ninguem teste esse querer sem querer saber do bicho que há em mim, há aquele outro querer que nem sei bem se é estima, gostar, amar ou qualquer outro querer, do qual nem sei a que distância se quer o outro ou a que distância está o outro a me querer… o que quero dizer é que custa saber que há quem nos ame mas que diga a outro querer, assim como quem nos queira sabendo-se que a outro ama… e por isso assim fico sem saber se quero ir a Mafra tocar no carrilhões… ou se me dói cá dentro como se me tivessem caído os… pulmões… ai que me falta o ar e vejo tudo à roda!

.

(é nisto que dão as muitas horas de trabalho e pouco sono. vão por mim, dormir é bom!)

partilhar : conhecer

.

.

.

.

dou conta que muitas vezes andei a farejar como um cão perdigueiro na expectativa de conhecer um pouco mais de alguém… apontei o nariz para pormenores e fiquei em posição de “stop” à espera do próximo movimento… nada mais desnecessário. para ver realmente a outra pessoa o “timing” é marcado pelo outro lado e o conhecimento vem por partilha; partilha de um momento vivido pelo outro ou pela realização conjunta de algo. partilha de coisas simples e insignificantes, ou partilha de dores ou alegrias tão intensas como uma explosão. tudo serve desde que se torne numa (re)vivência em conjunto, numa espécie de comunhão. e é em pequenos goles, como que a saborear; com calma, porque sempre se encontra calma quando se valoriza o momento. conhecendo e dando a conhecer, aos poucos, por partilha.

.

.