vida yo-yo não é… vida yeah-yeah

de madrugada sonhei que era um pêndulo em movimento… de lá para aqui, regresso para lá, volto para aqui… acordo mareado, com um gosto seco nos lábios, perscruto à volta para perceber onde estou, sem certezas… nem de quem sou…

o sono já se antecipou e foi para a cozinha de onde começa a relembrar-me que existe um frigorífico nesta casa… as pernas adquirem movimento próprio e carregam-me titubeante… nas paredes e nas esquinas pormenores que só se vislumbram nestes voos rasantes…

uma virada em curva apertada e por momentos pareço o Michael Jackson a dançar… em contra golpe a bexiga usurpou o poder e agora comanda o meu destino…

estanco pendurado à frente da sanita… eu… as pernas… e tudo o mais… acordamos tréguas resignados por haver vontades maiores do que as forças que se conseguem reunir por estas alturas… não é o momento de se resistir mas de se relaxar… que seja…

relaxar… frouxidão no olhar a meia luz que pouso com preguiça numa folha de papel no chão… o lusco-fusco a refulgir no papel entra-me pelos olhos como agulhas… não quero despertar… mas é inevitável

inconscientemente inclino o pescoço como que para enquadrar a cabeça entre as linhas do papel e, em menos de nada, o esternocleidomastóideo chicoteia-me por dentro com um estrondoso estalo desde uma orelha à outra… vejo estrelas… relincho como um potro acabado de marcar com azoto … definitivamente, hoje os meus componentes internos estão em guerra comigo… desperto

desperto e, ainda com cabeça entornada para o lado, olhar cativo pelo papel em branco, reparo que tenho estado com a escrita no mesmo estado do choro prendido por um soluço, em forma de nó na garganta

acordado e de café em punho, vagabundeio pela blogosfera… perco-me…quando dou por mim estou saído pela janela com o olhar já longe, lá fora dia em pleno, cá dentro um certo gosto a mar na boca… com o pensamento a tomar tons sépia pela saudade… sensação de peso e cansaço a tomar conta de mim…

e questiono-me se, neste modo de viver, em corridas de um lado para o outro, custa mais o cansaço físico ou o desgaste emocional… mas sei que, a cada partida, do cansaço físico consigo recuperar com repouso…

assusta-me a ideia de passar pela vida como um yo-yo que num momento qualquer, de tantas vezes ir abaixo-ir acima, moída a corda, irá desprender-se em voo picado numa última viagem… assusta-me ainda mais a ideia de que nessa queda o objecto atraia consigo a mão que o sustenta, e lhe dá sentido, numa derradeira tentativa de o amparar…

Anúncios

a cada um o seu moinho…

 

 

os professores, como muitos outros profissionais, continuam a ser mal compreendidos e principalmente por quem nunca o foi.

não é “A” profissão, a não para o próprio que a exerce, mas o mesmo acontece em qualquer outra.

para mim, em qualquer profissão, havendo contas a prestar, o que importa é quem se torna no “O” Profissional.

para tal, na maioria das vezes, basta fazer (bem) aquilo para o qual fomos contratados e com respeito por aqueles que nos pagam e por aqueles que dão sentido ao serviço que prestamos.

é certo que alguns foram contratados para actividades com grande impacte social, quer pela notoriedade, quer pela implicação ao nível da saúde e bem estar (incluindo o eventual poder de restrição da liberdade).

mas também é certo que nunca se viu em Portugal um médico manifestar publicamente agradecimento à sociedade por lhe ter permitido concretizar a sua escolha de vida profissional. é que, apesar das escolas serem públicas e sustentadas pelos nossos impostos, continuamos a ter de levar com doses de arrogância vazia de sentido administradas por (alguns) técnicos de saúde que não estão a fazer mais do que se espera deles.

o mesmo se pode referir em relação a qualquer outra área de actividade. em todas se encontram alguns profissionais sem brio, outros com excessiva sobrevalorização e ainda uns quantos lamuriosos arautos da comiseração corporativa – todos em demasia para a pouca paciência dos meus ouvidos.

na altura em que professei a docência vi colegas reduzirem esta actividade profissional quase exclusivamente ao período em que estivessem a leccionar “dentro de sala”. com grande esforço e criatividade lá iam conseguindo descobrir actividades para preencher os “períodos mortos” a que estavam “obrigados” pela natureza da sua profissão. eram os anos d’oiro do MSN, das palavras-cruzadas e outros quebra-cabeças. mas também tive colegas que, apesar da escassez de recursos das escolas, foram capazes de melhorar, pelo amor ao ofício e com condimentos raspados às próprias algibeiras, as omeletas sem ovos que lhes pediam para fazer.

infelizmente, em todas as actividades podemos encontrar um ou outro energúmeno a manchar o nome de profissionais que fazem o |bom| trabalho. é fácil apontar um dedo para essas nódoas. mas assim ficam sempre os outros quatro dedos a apontarem sabe-se lá para onde.

em alternativa podemos abrir as mãos e aplaudir aqueles que nas suas vidinhas lá vão encontrando soluções suadas para os seus afazeres. como que por artes mágicas, vão fazendo bem aquilo que é suposto fazerem |bem|.

por isso, é preciso aplaudir e dizer a esses senhores:

“muito bem! continuem o bom trabalho!”.

é que, apesar de não ser um hábito por cá, o reforço positivo (justo!) é um poderoso estímulo para a produtividade.

e se não for pedir muito… digam, também, a esses senhores, aqueles que fazem bem o que é suposto fazerem |bem|, digam-lhes um simples “obrigado!”, que estão a dar valor e bom nome à profissão dos seus colegas.

para eles o meu Obrigado !

 

 

…feito em Portugal?! só se for excelente!

andam, alguns, a promover o consumo do que é português, só porque sim, e eu, cá com as minhas dúvidas, dúvido que alguém já tenha feito contas ao que teremos de consumir para que isso crie impacto real, para além dos comentários habituais que vamos soltando no balcão desta tasca de escala nacional.

em relação ao que se faz por cá, acho que é preferível promover |só| o que é excelente e ser crítico com o resto, muito crítico, assim quase como que carregando a todo o instante, na ponta da língua e pronto a sair como uma chibatada, algo do género “tem lá vergonha pá que és Tuga e vê se fazes melhor que isso!” ou “se o fazes em Portugal não pode ser menos que bestial!”. um pouco como o que se passava antigamente com os electrodomésticos germânicos ou com os carros nipónicos, que eram bons, muito bons porque menos não seria concebível.

a seguir é lapidar qualquer um que vier promover a atitude do coitadinho. e eu, com as minhas dúvidas, tenho a certeza que é de começar por enfiar um calhau nos c*rnos daqueles que se lembram de criar subsídios à malandragem que por cá se faz, só porque é Portugal, e naqueles que andam por aí a inverter os valores…

«INVERSÃO DE VALORES

CARTA DE UMA MÃE PARA OUTRA MÃE (ASSUNTO VERÍDICO).

*Carta enviada de uma mãe para outra mãe no Porto, após um noticiário na TV:

De mãe para mãe…

‘Vi o seu enérgico protesto diante das câmaras de televisão contra a transferência do seu filho, menor, infractor, das dependências da prisão de Custoias para outra dependência prisional em L isboa .
Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter, para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes decorrentes daquela mesma transferência.
Vi também toda a cobertura que os média deram a este facto, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação que você, contam com o apoio de Comissões Pastorais, Órgãos e Entidades de Defesa de Direitos Humanos, ONG’s, etc…

Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender o seu protesto. Quero, com ele, fazer coro. No entanto, como verá, também é enorme a distância que me separa do meu filho.
Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo.
Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família. Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha, para mim, importante papel de amigo e conselheiro espiritual.

Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou cruelmente num assalto a um vídeo-clube, onde ele, meu filho, trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite.

No próximo domingo, quando você estiver abraçando, beijando e fazendo carícias ao seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores na sua humilde campa rasa, num cemitério da periferia…

Ah! Já me ia esquecendo: e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranquila, pois eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá, na última rebelião de presidiários, onde ele se encontrava cumprindo pena por ser um criminoso.
No cemitério, ou na minha casa, NUNCA apareceu nenhum representante dessas ‘Entidades’ que tanto a confortam, para me dar uma só palavra de conforto, e talvez indicar quais “Os meus direitos”.

Para terminar, ainda como mãe, peço “por favor”:
Faça circular este manifesto! Talvez se consiga acabar com esta (falta de vergonha) inversão de valores que assola Portugal e não só…
Direitos humanos só deveriam ser para “humanos direitos” !!! »

 in: “Castanheira de Pera em Notícia”

.

Wiki wiki #2 … “Innuendo”

 


“An innuendo is a baseless invention of thoughts or ideas. It can also be a remark or question, typically disparaging (also called insinuation), that works obliquely by allusion. In the latter sense, the intention is often to insult or accuse someone in such a way that one’s words, taken literally, are innocent.”

in: Wikipédia

 …é uma invenção sem base de pensamentos ou ideias. Também pode ser uma observação ou pergunta, geralmente depreciativos (também chamado de insinuação), que trabalha obliquamente por alusão. No último sentido, a intenção é frequentemente insultar ou acusar alguém de tal maneira que as palavras, tomadas literalmente, são inocentes. – GoogleTranslate

Wiki wiki #1 … “Sindrome do falso amor”

Devido a processos neurológicos complexos, a pessoa passa por uma experiência de transferência, com outra pessoa (com) que(m) tem um pouco de afinidade.

Essa Síndrome cria a sensação que o paciente esta apaixonado, esta amando a outra pessoa, quando na verdade ela esta apenas projetando seu ideal de amor.

in: Wikipédia

filhos da… mãe

.

.

à nossa volta os dois rapazotes passam o dia um com o outro, entregues ao mundo e a si mesmos. também eles têm fome, daquela que nos transborda o ácido para lá da boca do estômago. têm também da outra que nos faz tilintar o coração com frio. os dois rapazotes passam o dia um com o outro, entregues ao mundo, entregues a si mesmos, sem evidência dos seus adultos por perto. outrora, neste continente, a parentalidade podia estender-se por toda uma aldeia, agora crescem as crianças aos bocados, um pouco aqui, um pouco ali e muito por onde calhar que ninguém quer saber. tudo cresce por aqui, enquanto não é levado pela enxurrada.

um pai, nesta terra, carrega pouco mais que o significado biológico, mas ter um “mais velho” por perto é ter alguém com a altura de um farol e o aconchego de um ninho. pensamos “a mãe?!” e um de nós desprende a frase: “aqui, são sempre filhos da mãe….!”.

todos nós, homens, alguns pais, ficamos a olhar para os rapazitos com uma expressão perplexa e complacente, inconscientes de que nunca iremos sentir o significado completo dessa frase.

“são sempre filhos da mãe…!”

vendo bem as coisas…

“tenho estado a olhar para o meu espelho

através dos olhos de outrem

…”

Eeehhh!

SKUNK ANANSIE

bom som, bom!

 

I’ve been looking through my mirror
with somebody elses eyes
you broke me down
you fixed my blood staind pride
I’ve running through my window
at somebody elses world
you let me fall
right through your open door
you came and saved me you saved me from myself
you came and saved me you saved me from myself
I’ve been running hard on empty
sinking deeper in the sand
you let me down
right on to solid ground
you came and saved me you saved me from myself
you came and saved me you saved me from myself
when everyone left me you loved me and no one else
you came and saved me you saved me from myself “

( You Saved Me – Skunk Anansie – Wonderlustre, 2010)